quinta-feira, 7 de março de 2013

terça-feira, 5 de março de 2013

DJ



O DJ está em toda parte hoje: nas bandas de rock, no Big Brother, nas academias e em festas corporativas. Essa atividade agora está prestes a ser reconhecida como profissão pelo Ministério do Trabalho, depois de anos habitando uma zona cinza entre "músico" e "técnico de som".
Dois projetos de lei tramitam no Congresso Nacional. O mais antigo é do deputado federal Brizola Neto (PDT-RJ) e representa DJs ligados a uma associação carioca, a DiscoteRJ. O segundo está no Senado e é de autoria do senador Romeu Tuma (DEM-SP), que abraçou a causa a pedido do Sindecs, um sindicato não-oficial dos "profissionais da cabine de som" de São Paulo. Segundo os projetos, para se apresentar, um DJ terá que ser registrado em sindicato e provar que é capaz de exercer a atividade através de teste ou provando carreira estabelecida.
O DJ Feio, um dos organizadores da XXXPerience, uma das festas eletrônicas mais bem-sucedidas do país, se declara "100% a favor". O carioca Marcelinho da Lua também aprova, dizendo que ele trará "responsabilidade para os DJs".
Já o DJ Jota Wagner, de São Paulo, que comanda o núcleo de house underground Colors, não gosta da idéia de obrigar as casas noturnas a só contratar DJs associados. "Se essa coisa existisse há dez anos, era capaz de eu nunca conseguir tocar em uma festa." O DJ Grego, lenda-viva das pick-ups brasileiras, na ativa desde os anos 70, acha que "o DJ é artista e não se pode designar piso salarial para artista."
Para Sérgio Bandeira, porta-voz da mobilização no Rio, a regulamentação não é pensada nos DJs "artistas" e sim nos DJs que trabalham fixo em casas noturnas, ganhando pouco, sem registro em carteira nem aposentadoria. "Os DJs que são artistas, como Marlboro, não estão nem aí pro movimento, eles estão preocupados com seus cachês. O projeto vai ajudar os 98% que não se encaixam nisso, que batalham no dia-a-dia."
E os famosos DJs "celebridade"? Caras de banda ou atores dando uma canja nas pick-ups? "Isso vai acabar. Se o cara quiser se apresentar como DJ terá que se regularizar", garante Sérgio, que trabalha na Secretaria Estadual de Trabalho e Renda do Rio de Janeiro. Luiz Fernando Almeida, da agência de DJs Superbacana (com nomes como Bo$$ In Drama e Magal no seu elenco), questiona a obrigatoriedade da filiação ao sindicato e os eventuais encargos que viriam disso. "Oferecer essa opção é uma coisa. Tornar isto obrigatório é que não vale a pena." O senador Romeu Tuma pede uma audiência pública para se chegar a um denominador comum. "Vamos discutir, convocar DJs, se precisar mudar alguma coisa, a gente muda."
Por Camilo Rocha (Rollings Stones Magazine).